ცapuro

Este ano o Apuro flui em dois ramos: Mapuro e Bapuro. Já ouviste sobre o Mapuro na nossa última história, um espaço dedicado à exploração das nossas capacidades de reflexão. Agora vamos focar-nos no Bapuro, um sítio para perceber a nossa comunicação connosco próprios através do movimento, expressão e contemplação.

Vemos o corpo como o instrumento primário dessas investigações. Percebendo a nossa expressão física, ganhamos acesso a uma exploração mais profundo do self. Algures entre a intuição e a análise existe uma curiosidade sobre as nossas experiências que transcende o físico. Deste sítio podemos começar a perguntar – o que nos move?

Com a tua participação, abordaremos este tema numa variedade de formas, à procura de explorar várias questões em aberto.

Stillness

O estado de consciência que pode ser acedido através da concentração e quietude pode desvendar as camadas da realidade que traçam a nossa existência. Usando a imaginação e a meditação poderemos desenvolver formas de entender o que nos envolve. Neste estado inerte, é despertada a curiosidade pela dependência nos sentidos e a nossa percepção da realidade. Que mensagens estão escondidas no silêncio? O que acontece à mente quando sossegas o corpo? O que pode ser aprendido na comunicação não falada?

Movimento

Procuramos explorar as barreiras e os parâmetros definidos pela nossa fisicalidade e corpo material. Estamos interessados tanto na influência do corpo na nossa psicologia e mundo interno, como na sua tendência para dar forma à nossa identidade e as nossas interacções com o que nos rodeia. Como descobrir os limites e possibilidades dos nossos próprios corpos? De onde vêm as imagens do corpo e como evoluíram ao longo do tempo? Estamos interessados em improvisação, expressão somática e formas de movimento que desvendam diferenças culturais e as nossas identidades.

Expressão

Através de formas artísticas como a encenação teatral, falar em rimas ou artes visuais, é possível propor contraposições criativas em resposta a desafios que tenhamos, individual ou colectivamente. A forma como nos expressamos no domínio das artes permite o acesso a perspectivas que são aparentemente inacessíveis no dia a dia. Queremos exercitar a nossa capacidade para formar narrativas livres e radicais, questionando fronteiras e dando espaço ao juízo crítico. Estamos interessados em poesia, storytelling, teatro, paisagens sonoras e outras formas de expressão criativa que pretendas partilhar.

Performance

Do dia para a noite, transformaremos o nosso espaço numa plataforma para a descoberta de propostas artísticas relacionadas com os nossos temas. Como é que assistir a uma performance abstracta nos move para diferentes formas de pensar? Enquanto performer, como o fazes? Qual é a linguagem que usas para transmitir a tua mensagem? Estamos interessados em trabalhos que reflictam estas preocupações.

Queremos que faças parte do Bapuro! Se quiseres participar com um workshop, conversa, ou um qualquer contributo criativo em qualquer um destes temas, partilha as tuas ideias em apuro@wakinglife.pt.